França - Bélgica: constelação de estrelas à conquista do mundo

 10 de julho de 2018

De um lado, a Bélgica, pela segunda vez em fase tão adiantada da prova. Do outro, a França, pela terceira vez nas meias finais nos últimos seis Mundiais. 

Nunca nos tempos mais recentes, os belgas tiveram tantos motivos para sonhar em dominar o Mundo, futebolisticamente falando. Longe vão os tempos de uma geração que tinha nomes como Scifo, Vercauteren, Van der Elst ou Preud´homme, entre outros, com as meias finais, em 1986, a serem, até agora, o ponto mais alto da nação. Do actual novo lote de estrelas, apenas Kompany e Vermaelen eram nascidos nessa altura, mas eram ainda bebés quando os diabos vermelhos cairam perante a Argentina de Maradona.

 

 

Trinta e dois anos depois, a seleção agora comandada pelo espanhol Roberto Martinez está a dois jogos do título mundial e é a única com o pleno de vitórias e com estatuto de melhor ataque da prova: 14 golos em 5 jogos.

Do outro lado, a França, a tentar recuperar ainda do pesadelo vivido na final do Europeu de há dois anos, em casa. Didier Deschamps continua à procura do seu primeiro grande título como treinador, juntando-se à restrita elite de campeões mundiais como jogadores e treinadores. Nessa equipa de 1998 tinha Thierry Henry como colega de equipa. O avançado que fez carreira no Arsenal é adjunto de Martinez nos Diables Rouges.

 

 

O jogo que decide o primeiro finalista do Mundial é também um confronto colegas de equipas, tendo a Premier League como pano de fundo: Lloris vs Alderweireld, Vertonghen e Dembelé (Tottenham);  Mendy vs De Bruyne e Kompany (M. City); Pogba vs Fellaini e Lukaku (M. United); Kanté e Giroud vs Hazard (Chelsea).

Mas há mais pontos em comum entre as duas seleções, para lá da proximidade geográfica. Eden Hazard fez formação no Lille (França) onde foi campeão, enquanto Tielemens (Monaco) e Meunier (PSG) jogam no principal campeonato gaulês.

 

 

O jogo que vai ter Artur Soares Dias como VAR, será apenas o terceiro entre as duas seleções em fases finais de Mundiais, com o pleno de vitórias para França: 3-1 (1938) e 4-2 (1986).

Árbitro: Andrés Cunha (URU)

FRANÇA - Lloris; Pavard, Varane, Umtiti e Lucas Hernández; Pogba, Kanté e Matuidi; Mbpappe, Giroud e Griezmann.

BÉLGICA - Courtois; Alderweireld, Kompany, Vermaelen e Vertonghen; Witsel, Fellaini, De Bruyne e Chadli; Lukaku e Hazard.

AUTOR

Caso tenha alguma correção ou comentário a fazer:
 

Mais Notícias

Segue-nos

bla bla

911911978