Empresas do setor ambiental apontam metas por cumprir em resíduos eletrónicos

 13 de dezembro de 2021

A Associação de Empresas Portuguesas para o Setor do Ambiente considerou hoje que a falta de reciclagem dos equipamentos elétricos e eletrónicos está a comprometer as metas nacionais nesta área, apontando "ilegalidades nos concursos das entidades gestoras".

Aquele tipo de materiais continua a ser sistematicamente recolhido por sucateiros que os enviam para operadores não licenciados, sem considerar qualquer tratamento e sem atender à perigosidade daqueles resíduos, com riscos acrescidos para o ambiente", afirma a AEPSA em comunicado.

"Portugal está cada vez mais distante do cumprimento das metas ambientais definidas pela União Europeia", indica a associação, que cita números da Agência Portuguesa do Ambiente segundo os quais as três entidades licenciadas para tratar resíduos elétricos e eletrónicos recolheram em 2019 apenas 52 300 toneladas, cerca de um terço da média do que tinham tratado nos três anos anteriores.

Afirma também que "as entidades gestoras continuam a lançar novos concursos com manifestas irregularidades e sem observar o cumprimento da legislação" do setor.

Quanto aos operadores, investiram "fortemente em instalações para triagem, valorização e reciclagem" que estão agora subaproveitadas, uma situação "agravada com a exportação [de resíduos] para outros países".

A AEPSA salienta que Portugal incorre em "sanções e consequências graves" por não cumprir as metas e que estes resíduos contêm "substâncias altamente tóxicas" que libertam para o ambiente se não forem tratados.

AUTOR

Caso tenha alguma correção ou comentário a fazer:
 

Mais Notícias

Segue-nos

bla bla

911911978