Um quarto dos transportes marítimos na UE vai usar gás natural não sustentável até 2030, indica estudo

Pixabay
 16 de fevereiro de 2022

Um quarto dos transportes marítimos na Europa será movido a gás natural até 2030, um combustível fóssil que tem poucos benefícios para o clima e que se vai manter durante décadas, alerta um estudo hoje divulgado.

O estudo, da Federação Europeia de Transportes e Ambiente (T&E, na sigla original), salienta que os 25% de transportes marítimos movidos a gás fóssil é fruto das “débeis metas de sustentabilidade da União Europeia (UE) que encorajam uma maior utilização de metano”, e defende antes o investimento em combustíveis como o hidrogénio verde.

A T&E, uma organização não ambiental de defesa de políticas sustentáveis para o setor dos transportes, alerta que o transporte marítimo é dos maiores poluidores do mundo e permanece “altamente dependente de combustíveis fósseis”.

“A velha narrativa do gás como combustível de transição já não é sustentável – já não podemos simplesmente mudar de um combustível fóssil para outro, pois isto não nos levará a atingir zero emissões líquidas até 2050. Ao colocarmos mais metano na atmosfera, estamos a aquecer dramaticamente o planeta”, diz a T&E citada num comunicado da organização ambientalista portuguesa Zero, que também faz parte da federação.

O metano é um gás com efeito de estufa mais potente que o mais divulgado dióxido de carbono.

No comunicado, a Zero lembra que como parte do Objetivo 55, um pacote legislativo para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em 55% até 2030 na União Europeia, a Comissão Europeia quer reduzir a pegada carbónica dos navios. Mas, acrescenta a Zero, encoraja que os navios movidos a fuelóleo sejam substituídos por outros movidos a gás fóssil.

O estudo da T&E, diz a Zero, mostra que o gás fóssil deve constituir 23% do total de energia utilizada nos transportes marítimos na União Europeia até 2030, “mais 6% do que atualmente, com custos mais baixos que as alternativas verdadeiramente limpas, mas com muitas emissões associadas”.

A proposta da Comissão Europeia, como está, implica que os navios terão “poucos ou nenhuns incentivos” para mudar para alternativas sustentáveis como o hidrogénio verde ou combustíveis baseados em hidrogénio, conhecidos como combustíveis sintéticos (e-fuels), diz-se no comunicado.

A federação sugere que a UE impulsione a procura de combustíveis à base de hidrogénio, e recomenda uma cota mínima de 6% para combustíveis sintéticos navais.

O regulamento dos combustíveis navais da UE está a ser discutido no Parlamento Europeu e no Conselho da UE. Um texto final deve ser conhecido no segundo semestre deste ano.

No comunicado a Zero propõe que Portugal não invista em abastecimento de gás natural liquefeito, porque tal investimento, acrescenta, vai no sentido oposto ao da descarbonização.

AUTOR

Caso tenha alguma correção ou comentário a fazer:
 

Mais Notícias

Segue-nos

bla bla

911911978