O mundo está em greve a partir de hoje

LUSA
 20 de setembro de 2019

Primeiro foram os estudantes que decidiram fazer greve às aulas para exigir aos governantes que fizessem alguma coisa contra as alterações climáticas, agora, o apelo é dirigido a todos. 

Estão marcadas mais de 1700 ações em todo o mundo, a partir de hoje e ao longo de uma semana, para inverter a destruição do Planeta. 

Na Austrália, a Greve Mundial pelo Clima já começou a ter efeitos. Saíram às ruas dezenas de milhares de estudantes, professores e pais dos alunos a pedir que "parem de queimar o nosso futuro". 

Além das manifestações, há várias cidades onde estão marcadas marchas e outras em que ativistas do clima vão acampar em zonas estratégicas, durante vários dias, para que a mensagem de urgência climática tenha efeito. 

Mas há cidades onde esta greve já começou a ter impacto ao longo dos últimos dias. Em Inglaterra, na capital, houve um funeral frente à Semana da Moda de Londres. Quem organizou a iniciativa afirmou que "é tempo de todos chorarmos pelo Planeta". Na Alemanha, houve um bloqueio ao Salão Automóvel que decorria em Frankfurt. 

Estas são algumas das muitas imagens que estão a marcar, esta sexta-feira, o arranque da Greve Mundial pelo Clima.

Chegam da Austrália, Chipre, Tailândia, Filipinas, Alemanha, África do Sul, Índia, Bangladesh e Filipinas, os primeiros países que já começaram a encher as ruas com manifestações e pedidos de ação imediata contra o aquecimento global. 

 

 

 

 

 

PORTUGAL ESTÁ ENTRE OS 130 PAÍSES QUE ADEREM À GREVE DO CLIMA 

A Greve Mundial pelo Clima foi inspirada por Greta Thunberg, a jovem ativista sueca que conseguiu mobilizar milhares de estudantes em todo o mundo a aderirem à greve estudantil pelo clima.

A menina de 16 anos que surpreendeu o mundo e chamou a atenção, de todos nós, para a urgência climática que vivemos.

Ainda esta semana, Greta, arrasou um congressista nos Estados Unidos que tentou fazer uma espécie de "passa a culpa" para países como a China que têm altos níveis de poluição, para tentar atenuar a responsabilidade dos norte-americanos nesta matéria. 

 

 

 

A Greve Mundial pelo Clima está marcada em mais de 130 países, com ações de luta programadas para pelo menos quatro mil cidades. 

Em Portugal, já esta sexta-feira, 20 setembro, há uma marcha noturna, em Lisboa, a partir do Príncipe Real até à Assembleia da República. Começa às 21h00 e é seguida de uma vigília. 

Em Torres Vedras, ao final da tarde, por volta das 18h30, vai ser feita uma homenagem à Amazónia e aos povos indígenas.

Ao longo de toda a semana, há várias ações previstas para outras cidades do país que vão culminar com Portugal a aderir a esta paralisação pelo clima, no dia 27 setembro. 

 

GUTERRES CONVOCOU UMA CIMEIRA MUNDIAL DA ONU

Líderes mundiais reúnem-se na próxima segunda-feira em Nova Iorque, numa cimeira convocada pelo secretário-geral da ONU para definirem objetivos mais ambiciosos na contenção do aquecimento global.

António Guterres escreveu aos líderes de todos os países para que, juntos, na ONU, assumam metas de redução de emissões de gases com efeito de estufa mais ambiciosas do que as prometidas no Acordo de Paris, em 2015.

Os gases com efeito de estufa são uma das causas das alterações climáticas, nas palavras de António Guterres o maior problema da humanidade, que vai afetar dramaticamente o futuro se nada de substancial for feito.

Apesar de os países do mundo se terem comprometido em reduzir essas emissões a verdade é que elas têm vindo a aumentar todos os anos, comprometendo a meta de impedir que o aumento da temperatura global não seja superior a dois graus em relação à média da época pré-industrial.

 

SÃO VÁRIAS AS PERSONALIDADES QUE ESTÃO A MOSTRAR APOIO A ESTA GREVE

Mick Jagger, vocalista dos Rolling Stones, manifestou apoio por esta luta e afirmou que "é preciso fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para proteger o planeta e a humanidade". 

 

Mick Jagger não foi o único elemento da banda veterana a apoiar a causa, Keith Richards também mostrou estar ao lado da mobilização global pelo planeta.  

 



O músico Sting também não deixou passar o iniciativa ao lado. Chamou à atenção para a inciativa e avisou que todos devem juntar-se aos jovens que começaram esta luta mas que não fazê-la sozinhos. 

A banda irlandesa U2 também já partilhou uma publicação sobre o tema. 

 

Patti Smith também expressou o apoio à iniciativa com algumas palavras publicadas nas redes sociais. "Uma pequena voz da razão que ressoa globalmente e é ampliada por todos os que ouvem e prestam atenção. Hoje os nossos alunos estão a deixar as suas secretárias para estarem unidos na greve pelo clima. É uma forma de educação feroz e positiva. Unidos pela terra", escreveu a cantora e compositora norte-americana.
 




A apresentadora norte-americana, Ellen DeGeneres, também publicou uma manifestação de apoio a Greta Thunberg. 
 

 

AUTOR

Caso tenha alguma correção ou comentário a fazer:
 
Segue-nos

bla bla

911911978